domingo, 16 de junho de 2019

Você aprendeu tudo errado! 


 Aprendemos sobre sexo com pessoas que nunca tocaram seus próprios corpos. Aprendemos sobre relacionamento com pessoas que cultivam relacionamentos fracassados.
Aprendemos sobre amizade com pessoas que nunca cultivaram amigos.
 Aprendemos sobre sucesso com pessoas que se consideram fracassadas.
 Aprendemos sobre fé com pessoas que julgam e punem.
Aprendemos sobre riqueza com pessoas falidas.
 Aprendemos sobre coragem com pessoas que vivem com medo.
 Aprendemos sobre liberdade com pessoas que vivem presas a opinião dos outros. Aprendemos sobre virtude com os mentirosos. Você não consegue ver? Está tudo errado! Quem nos ensinou errado, aprendeu errado. E sofre como você.
 É você quem deve quebrar todas essas falsas crenças, falsos conceitos que lhe foram impostos e criar os seus próprios conceitos sobre tudo.
Seja um questionador, seja o diferente do grupo.
Você já viu um grande grupo se iluminar? Não! Porque a iluminação, a sabedoria só pode ser atingida na individualidade.
Não seja o igual. Não seja mais um infeliz! Descubra quem é você de verdade e curta essa pessoa incrível, que está aí dentro, sob camadas e camadas de conceitos errados de outras pessoas.
Leia, duvide, questione e recrie as “regras". Viva com base nas suas próprias normas.
 Seja a ovelha azul da família!
 Simplesmente seja!
Seja feliz!

Kassia Luana
Namaste

quarta-feira, 12 de junho de 2019

O que é sucesso para você?



Recentemente, fiz um mini curso de educação financeira com a economista Sônia Remor. Tive muitos insights durante o percurso, mas um me chamou bastante a atenção. Antes de começar a passar os conceitos e práticas de finanças, ela pediu que as estudantes (sim, o curso é somente para mulheres) criassem suas próprias definições sobre “o que é uma vida de sucesso”, “o que é ser bem sucedida na vida”, dentre outros.

Sinceramente, até então, nunca havia pensado naquilo. Assim como a maioria das pessoas, idealizamos, estudamos, trabalhamos para conquistar isso ou aquilo sem nem pensar muito no “porquê”. Por esta razão, muitas pessoas nunca estão satisfeitas, mesmo quando conseguem a carreira, a família, a viagem ou companheiro (a) que buscaram por tanto tempo. Simplesmente porque moldaram seus sonhos e conceitos com base na vida de outras pessoas.

Principalmente na era digital em que vivemos. Vemos os sorrisos e estórias das pessoas nas redes sociais e acreditamos que aquilo é felicidade, é sucesso. Em seguida, tentamos nos encaixar, de qualquer forma, nos padrões e conceitos reais ou não, vendidos e, muitas vezes, não vividos por estas pessoas.

Criei o meu e isso mudou completamente minha vida e percepção das coisas. Hoje, sei exatamente o que gosto, o que quero para hoje, amanhã e daqui há 10 anos. Traço e sigo essas metas. Isso me deu ainda mais clareza sobre o quanto eu sou feliz, o que precisava ser mudado e o que precisava ser feito para que eu atingisse a plenitude.

Desde então, incentivo à todas as pessoas que conheço a criar seu próprio conceito de sucesso, riqueza, felicidade! Acredite: talvez você já seja um grande sucesso e nem se deu conta disso.

Então, deixo algumas perguntas para você:
·        O que você realmente gosta de fazer?
·        Quais são seus verdadeiros sonhos?
·        Como você se vê daqui há 10 anos?
·        O que você está fazendo hoje para conquistar suas metas e ser esta pessoa?
·        Quais seus maiores medos?
·        E as suas maiores inspirações?
·        O que é sucesso para você?
·        O que falta para você se tornar uma pessoa bem sucedida?
·        Por quais coisas você é grata hoje?
Respondidas estas questões, mude o que tiver que mudar, alinhe os pontos, se analise e, definitivamente, crie seus próprios conceitos e pare de se espelhar na vida de outras pessoas. Ninguém é igual a ninguém. Somos seres únicos e é justamente isso que nos torna especiais. O que funciona para um pode não funcionar para o outro e está tudo bem.

Namastê



sábado, 8 de junho de 2019

Você é um auto sabotador?



A vida está indo muito bem: Você conseguiu a vaga na empresa que desejava, ou está se relacionando com uma pessoa que deseja, ou firme e forte na academia, ou estudando bastante, sem débitos, visto com frequência amigos queridos, a família está muito bem. Até que, de repente, tudo muda. Precisa gastar um dinheiro que não tem, briga com o parceiro, não tem mais tempo de ir à academia, discute com os amigos, alguém da família adoece... Reconhece esta história?

Grande parte da população foi educado para viver no caos e sofrimento. Ouvimos, desde muito pequenos, que se fizermos isso ou aquilo seremos castigados, que “tudo o que é bom dura pouco”, que “rico não entra no reino dos céus”, que “quanto mais se sofre, mas se eleva”, e milhares de coisas do tipo.

Até os 7 anos, nosso subconsciente está aberto, recebendo toda e qualquer informação que nos dão, sem nenhum tipo filtro. Enquanto isso, nosso caráter vai sendo formado com base nestas convicções que, definitivamente, não são nossas. Então, toda vez que nos aproximamos do “perigo”, de algo que nos leve para longe do que fomos ensinados que é certo ou verdadeiro, inconscientemente, damos um jeito de nos afastar e destruir para nos “proteger”.

Este é o caso das pessoas que ganham grandes quantias de dinheiro e perdem tudo em um curto período de tempo; ou de pessoas que encontram o parceiro ideal e estragam tudo rapidamente; ou de pessoas que estão sempre crescendo no trabalho, tendo grandes oportunidades e, de repente, estão novamente desempregados e recomeçando.

Estas pessoas não fazem isso racional ou conscientemente. Seu subconsciente age de forma à validar as crenças que esta pessoa formou através da escola, dos pais, amigos e professores. Este é o perfil do auto sabotador!

Se você acredita que ter dinheiro é pecado, vai se sabotar até perder todo dinheiro que conseguir porque acredita que só assim merecerá o “reino dos céus”; Se você acredita que nenhum relacionamento é bom, que nenhum homem ou mulher presta, vai atrair para a sua vida parceiros que irão trair, mentir, enganar você e validar a sua crença.

Se você acredita que “quem nasce pobre morre pobre”, sempre que tiver uma oportunidade de crescimento, vai boicota-la e voltar a condição anterior. Se você acredita que vai adoecer, assim como sua avó, mãe, bisavó, você vai adoecer. Se você acredita que todo amigo é aproveitador e falso, todos os amigos que você atrair terão este perfil. E assim por diante.

Tudo tem solução
O Universo diz apenas SIM. Tudo o que você pensa e sente, você cria. Até limpar todas as crenças que lhe foram impostas quando crianças, você vai continuar pensando, sentindo e criando tudo com base nessas histórias que lhe foram contadas, concorda?

Então, o primeiro passo para limpar estas crenças é entender que elas não são suas. Nenhuma opinião que você tem até hoje, sobre o que quer que seja é sua. Em seguida, você precisa entender que as pessoas que formaram isso em você não agiram de “má fé”. Elas agiram com você como aprenderam que era certo ou melhor. Os pais repetem com os filhos o que aprenderam com os seus pais, e assim sucessivamente. Então, não julgue.

Você também precisa se perdoar. Estava apenas repetindo o que lhe foi ensinado e validando as crenças que lhe foram impostas. Então, pare de se punir e se perdoe. Você não tinha as informações que tem hoje.

Neste processo de limpeza dessas crenças e perdão, vão haver catarses muito fortes, mas você vai passar por elas, se for realmente persistente. Eu passei!

Em seguida, é hora de se apresentar a novas crenças e criar uma nova e melhorada versão de si mesmo. Neste processo, você vai formular a sua própria ideia do que é dinheiro, prosperidade, amor, Deus, relacionamento, saúde, etc. E vai dar saltos de consciência que em 30, 40 ou 50 anos nunca deu. E este percurso é lindo!

Você não precisa passar por tudo isso sozinho. Existem várias ferramentas e mentores que oferecem instruções sobre caminhos para fazer isso. Como exemplo, temos o ho’oponopono, hipnose, terapia, Ressonância Harmônica, dentre outras. Sua intuição vai mostrar qual o melhor para você.

Enquanto isso, lembre-se de uma coisa: você é merecedor de tudo o que é bom nesta vida. Quando você tiver plena convicção disso, a sua vida vai mudar e crescer exponencialmente. Faça isso por você e por todos aqueles que te amam!

Namastê



segunda-feira, 3 de junho de 2019

Cleópatra: inteligente, destemida, forte, bonita e.... extremamente incômoda para os invejosos




Em 69 a.C. nascia a, ainda polêmica, Cleópatra VII Filopátor. Seu nome significa "glória de seu pai" ou “glória à pátria”. Desde criança. Foi educada e treinada para assumir o poder: falava mais de 8 idiomas (coisa que nenhum líder, até então, havia feito), era extremamente simpática, mestre da retórica, articulada, inteligente, conhecedora de ciência e muito mais.

Cleópatra era mestre em elaborar grandes planos, como quando se enrolou no tapete e viajou até conseguir falar com o romano Júlio César, com quem se uniu posteriormente; ou quando interpretou a deusa Afrodite e fez uma impressionante aparição para o também romano, Marco Antônio, que viria a ser pai de 3 dos seus 4 filhos. Conseguiu, dentre outras coisas, firmar o nome do Egito como um país forte na história do mundo. Inesquecível!

Mas, como ela é retratada até hoje pelos historiadores? Enfatizam sua beleza e charme, mas minimizam suas conquistas.  Assassina, manipuladora, malvada e etc. Mas, por que esses adjetivos são mais citados?

Quantas vezes você passa por uma mulher bonita, dirigindo um grande carro importado e diz: “deve ser mulher de rico” ou “tem alguma coisa aí por trás”? Quantas vezes você vê uma mulher bem sucedida na carreira e diz: “deve ter dormido com alguém para conseguir estar ali”? Quantas vezes você escolhe um homem para te atender no banco, ser seu médico ou seu advogado porque acha que ele vai resolver melhor? Quantas vezes você já repetiu a frase “onde tem mulher tem fofoca”?

Quantas vezes, no seu trabalho, você deixa de dar opiniões por achar que não são tão boas quanto a dos seus colegas homens? Quantas vezes você deixou de fazer algo porque, talvez, não fosse “coisa de mulher”? Quantas pessoas você conhece foram vistas como promiscuas porque têm uma vida amorosa livre?

A prática de minimizar os feitos de uma mulher é tão antigo quanto a humanidade. Está aí a Cleópatra como prova disso. Tudo o que fez foi deturpado por historiadores, homens, que não aceitavam creditar a uma mulher toda as conquistas feitas por ela. E isso está tão enraizado que nós, mulheres, até hoje nos pegamos repetidamente julgando a nós mesmas e às outras, diminuindo nossas conquistas e nos considerando incapazes.

A seleção brasileira de futebol feminino tem mais prêmios que o masculino. Mas, quantas vezes você já assistiu? A sua colega cuida sozinha dos filhos e consegue, também, ser bem sucedida no trabalho. Quantas vezes você já a elogiou? A sua vizinha teve uma excelente educação financeira e consegue viajar e ter uma vida mais confortável, mesmo não ganhando o que merece. Quantas vezes você já pensou nisso ou quis aprender com ela?

Isso se chama inveja! Enquanto você não entender que tem tanto potencial quanto as pessoas que julga, vai continuar criticando e desmerecendo seus feitos.Acredite, querida: assim como a Cleópatra e a sua colega de trabalho, você é capaz de chegar onde quiser.  

Vivemos na era digital onde temos conteúdo gratuito disponível na rede, para quem estiver interessado. Quer crescer, vá estudar. Quer mudar de aparência, mude a alimentação. Quer viajar, junte dinheiro. Não sabe como se organizar financeiramente, peça ajuda a quem sabe. Mas não seja como as pessoas que tentaram e ainda tentam diminuir os grandes feitos das outras por não se esforçarem para fazer o mesmo.

Namastê

domingo, 26 de maio de 2019

Ame como Gandhi


Muito se fala sobre Mahatma Gandhi hoje em dia. Pessoas de diferentes religiões e partidos políticos, usam as citações deste grande homem como referência. Décadas após sua morte, Gandhi continua movendo multidões e recebendo homenagens, por todas as partes do mundo. Mas, afinal, quem foi este homem?  
História
Em 2 de outubro de 1869, em Porbandar, na Índia, nascia o hindu Mohandas Karamchand Gandhi. Formou-se em Direito na "University College", em Londres. Em 1891, partiu para a África do Sul, onde viveu com esposa e filhos e atuou, por mais de 20 anos, como advogado. Uma vida confortável, concorda? Mas, ao invés de parar e dar-se por satisfeito, aí começou sua história.
Em setembro de 1906, o Governo desejava registrar a população hindu, que se recusou e, em consequência, foi detida e condenada a dois meses de trabalho duro. Esta, entrou em greve, que somou um número alarmante de 50 mil operários e fez com que o governo britânico cedesse, validasse os casamentos, perdoasse os débitos e concedesse mais liberdade ao povo.
Libertar a Índia, de maneira pacífica, do governo britânico virou o foco de Gandhi que, anos depois (1915), já na sua terra natal, iniciou oficialmente uma luta para conscientizar hindus e muçulmanos. A pressão britânica aumentou, e fez com que, em 1920, ele iniciasse uma campanha de alcance nacional, realizando viagens com o intuito de conscientizar o povo a não colaborar com o governo britânico.
Em 1928, o número de indianos que não pagava os impostos britânicos era grande. O movimento, iniciado e liderado por Gandhi, aumentava e o governo europeu começou a se preocupar. A reação? Violência, execuções e prisão para os que protestavam. A resposta? Mais protestos pacíficos. Nenhum envolvido na causa deveria responder com violência.
Gandhi organizou uma marcha que levou quase 60 mil indianos à beira-mar, onde recolheram a água salgada em bacias, produziram e venderam o próprio sal, o que era proibido. Como resultado, foi preso. As cadeias ficaram superlotadas com a prisão de quase 100 mil hindus apoiadores da causa.
Gandhi, então, foi convidado a uma reunião de onde nasceu o pacto “Irwin-Gandhi” que estabeleceu o cancelamento do movimento de Desobediência Civil; libertação dos prisioneiros; permissão para produção de sal; participação do partido do Congresso Nacional Indiano nas mesas de negociação. Este foi um divisor de águas.  
Gandhi prosseguiu com sua jornada não violenta pela liberdade do país. Até que, em 1942, foi preso novamente, junto com vários líderes da revolução. O protesto veio em forma de jejum. Somente Mahatma Gandhi sobreviveu. A pressão de Gandhi e diversas ações em conjunto com líderes locais, continuaram e em 1947 os ingleses decidiram, então, sair da índia. Durante a luta, Gandhi ficou preso por 6 anos, no total.
Outra guerra
Neste mesmo período, hindus e muçulmanos guerrearam durante um ano e meio, o que culminou na morte de mais de 500 mil pessoas. A cada surto de violência, Gandhi realizava outro jejum, em favor da união entre as comunidades. Interrompia o jejum quando o surto passava. Os hindus temiam causar a morte dele e os muçulmanos temiam as represálias. A paz prevalecia.
No dia 30 de janeiro de 1948, após o fim de um jejum de 5 dias, Gandhi foi assassinado pelo hindu Nathuram Vinayak Godse, no jardim de sua casa, onde estava sendo realizada uma grande reunião de orações. Acredite: Godse matou Gandhi porque era contra a tolerância religiosa pregada por ele. Seu último pedido foi que o assassino não fosse punido. Mas não foi respeitado.
Legado
Gandhi era extremamente espiritualizado e pregava o respeito entre as religiões. Leu, dentre outros, o alcorão e a bíblia, e dizia que aprendeu sobre respeito às religiões com os seus pais. Do hinduísmo e de religiões correlatas, pois seus pais o levava ao haveli, bem como aos templos de Shiva e Rama. Muitos monges jainistas os visitavam com frequência e discutiam vários assuntos de cunho religioso ou não. Seu pai também tinha muitos amigos devotos do islamismo e zoroastrismo.
Já adulto, tanto em Londres quanto na África, teve contato com cristãos de diferente denominações. Na África do Sul, em 1906, fez os votos de brahmacharya, o que implicava em celibato e castidade, renúncia a prazeres e posses (aparigraha), e o princípio da não-violência (ahiṃsā). Mas, não fazer diferença entre as pessoas e respeitá-las, já estava em sua natureza. “A prece é a maior das forças agregadoras, contribuindo para a solidariedade e a igualdade da família humana. Se alguém consegue unir-se a Deus olhará para todos como para si mesmo.”, disse ele.
Gandhi sempre frisou que o ser humano deveria crescer em compaixão e autocontrole. Estes fatos ensinam que, se conhecermos à fundo a religião da outra pessoa, passaremos a respeitá-la. Conhecimento é crescimento. Também, ressalta-se o fato que deve-se tirar o melhor de cada crença para sua própria evolução espiritual, focando-se na espiritualidade e não na religião. Existe um ditado popular que diz: “a religião é um rótulo”. No fundo, todos estão buscando as mesmas coisas: amor e felicidade. E cada religião ensina isso de uma maneira. Não julgue as pessoas.
Ele doava roupas aos pobres, e lutava pelos direitos destes. Para ele, “A pobreza é a pior forma de violência”, já que causa muitas mortes. Gandhi acreditava que, se cada um tomasse o que lhe fosse necessário, não haveria pobreza no mundo.
Gandhi pregava a capacidade de respeitar os outros, independente do que o outro fizesse, já que, somos todos um. Isso não significa que você deva concordar com tudo que o outro diz. Mas, o respeito é fundamental. Agredir um outro ser, humano ou não, significaria, consequentemente, agredir a si mesmo. Por isso, era vegetariano.
“É apropriado oferecer resistência e atacar um sistema, mas oferecer resistência e atacar seu autor é equivalente a oferecer resistência e atacar a si próprio. Pois somos todos farinha do mesmo saco, e filhos do mesmo Criador, e portanto os poderes divinos em nós são infinitos. Menosprezar um único ser humano é menosprezar aqueles poderes, e assim prejudicar não apenas aquele ser, mas também o mundo inteiro”, ressaltou ele.
Os jejuns de Gandhi em sua luta contra as guerras, são a maior prova de resiliência, amor ao próximo e tolerância. Ele arriscava, assim, sua vida e saúde em prol das causas em que acreditava. E isso deu resultado: a Inglaterra se retirou, e, até hoje, Gandhi serve de exemplo e inspiração a todos que falam sobre amor e respeito, independente da religião que siga. Por isso, Gandhi é um dos símbolos da luta pelos Direitos Humanos.
Se você tem uma causa e acredita nela, lute pacificamente por ela. Ame a todos como a ti mesmo, porque, no fundo, eles e você são um só. Busque conhecimento e expanda sua consciência. Use seu conhecimento para ajudar o máximo de pessoas possível. Seja grato e Ame, como Gandhi.
Namastê

sexta-feira, 24 de maio de 2019

Afaste-se de pessoas carentes: elas vão adoecer você!



Pessoas carentes não se apaixonam e muito menos amam. Elas se apegam. O objetivo, puramente egoístico, é tapar o buraco emocional que possuem. Por isso, são extremamente ciumentas, veem o outro como propriedade, e não como companheiro e parceiro. Exigem tudo em excesso: tempo, atenção, dinheiro... São plenamente capazes de trair, afinal, o outro não importa. E, acredite, quando elas acharem que você não serve mais, vão achar outra vítima para colocar em seu lugar.

Pessoas carentes não conversam, elas falam. Elas não tem interesse em saber de você, dos seus problemas, da sua situação. Elas querem ser ouvidas, ser o centro das atenções. Note que elas nunca estão interessadas em como você está e, se perguntam, não prestam a atenção na resposta ou simplesmente interrompem e seguem falando do que importa para elas: elas mesmas. Atente para o fato que nunca seguem seus conselhos, dicas. Elas estão ali apenas para falar, reclamar, criticar e fofocar.

Pessoas carentes não gostam de solução. Elas gostam do problema e estão sempre envolvidos em um. Na cabeça delas, tendo problemas, as pessoas darão atenção e delas este roubará tempo e energia. Por isso, o carente ama o papel de vítima. Ele nunca está errado e a culpa é sempre do outro: do chefe, do colega de trabalho, do irmão, dos pais, do vizinho, do professor... Ele está sempre procurando uma forma de ser motivo de compaixão, de pena. Muitos adoecem propositalmente para conseguir esta atenção.

Pessoas carentes são manipuladoras. Elas usam do sentimento do outro para conseguir o que querem. Repare que, por exemplo, quando chegam até você, estão sempre com um semblante dramático. E quando você não pergunta o motivo, elas dão um jeito de falar e fazer você se sentir culpado por não ter perguntado ou se importado. São elas que pedem empréstimos que você se sente obrigada a dar, ou pedem favores que você se sente em culpa se não puder fazer. São elas que conseguem manter pessoas presas em relacionamentos fracassados pelos mais diversos motivos. São elas que destroem o relacionamento dos filhos por ciúme da nora.

As verdadeiras vitimas

As pessoas que estão ao entorno dos carentes sempre adoecem, mental ou fisicamente, por causa deles. As verdadeiras vítimas dos carentes são, dentre outros, seus filhos (que não conseguem ter vida própria para não “decepciona-los”); seus parceiros (que não podem ser felizes, fazendo as próprias escolhas, porque não podem deixá-los); seus superiores na empresa em que trabalha (porque sentem culpa de demiti-lo, mesmo que seja um péssimo profissional, porque o carente está sempre envolvido em algum drama ou tragédia); seus “amigos” (que despendem sempre de tempo, dinheiro e energia para dar atenção a ele em seus problemas quase que diários).

Quando essas pessoas se deixam abater e baixam a frequência, automaticamente, ficam mais suscetíveis a doenças. Das mais simples, como um resfriado, às mais sérias, como Síndrome do Pânico e Câncer.

Então, se você tem ao seu lado um amigo, familiar, parceiro ou colega de trabalho carente, se coloque em primeiro lugar e aprenda a dizer não. Não sinta-se em culpa por respeitar seu corpo, saúde, tempo, energia e dinheiro. É o seu direito natural acessar tudo de bom que há no Universo. Não permita que tirem isso de você.

O carente não vai mudar por sua causa. A escolha tem que partir dele. Então, mude você! Se priorize, desate os nós. Liberte-se e escolha a sua própria felicidade. Acredite: as pessoas aprendem mais com o exemplo e a vivencia, que com alguém que alimente seu vitimismo e carência.

Namastê




quinta-feira, 23 de maio de 2019

Dica do dia: cuidado com os ladrões de tempo!



Eles não querem seus conselhos, sua atenção, seu carinho, suas ideias...
Eles querem apenas roubar seu tempo!
Note como estão sempre te pedindo algo.
E pouco tempo depois já querem outra coisa e esqueceram do primeiro pedido.
Ou estão sempre voltando e solicitando o mesmo conselho ou ideia.
Sem colocar em prática os conselhos ou ideias anteriores.
E você sempre se sente esgotado depois destes encontros.
Porque, além de ladrões de tempo, eles são ladrões de energia.
Então, afaste-se dessas pessoas!
Dedique este tempo e energia a seus próprios projetos e a você mesmo.
Se você realmente deseja progredir na vida.


domingo, 5 de maio de 2019

Mulher, pare de se cobrar perfeição! 










Nem sempre você vai estar de bom humor. Nem sempre você vai querer estar cercada de pessoas, no meio do barulho ensurdecedor de uma festa.
Nem sempre você vai poder aceitar a proposta do seu gerente ou de uma amiga.
Nem sempre você vai poder dizer sim.
Nem sempre você vai ter a resposta para dar ao seu filho ou saber como lidar com ele em determinada situação.
Nem sempre você vai chegar calma, depois de um dia estressante no trabalho.
Nem sempre você vai ter vontade de fazer sexo.
Nem sempre você vai ter vontade de se arrumar impecavelmente.
E está tudo bem! Acontece.
Pare de se cobrar tanto. Ninguém nasce sabendo tudo.
Estamos aqui para melhorar, aprender, crescer.
Você está aprendendo a ser mãe, sendo. E é a melhor mãe que consegue ser. Parabéns!
Você está se esforçando para ser uma excelente profissional. Continue se dedicando ao processo sem se julgar o tempo todo.
Às vezes é difícil dar atenção a todos que precisam, Mas você Tenta ser a melhor amiga possível e quem te ama sabe disso.
Então, se posso te pedir algo, é isso: não se cobre tanto!
Seja mais leve com você, se ame mais. Exija menos perfeição de você porque a perfeição não existe.
Aprenda a dizer não, quando precisar dizer. Respeite o seu tempo, o seu corpo, as suas limitações. E todos ao seu redor vão aprender a fazer isso também.

 Muita luz!
 Namaste

sábado, 4 de maio de 2019

Você sabe quem está vendendo o seu produto?



Estou no setor de Vendas, Comunicação e Eventos há alguns anos. Tudo é venda! Uso esta frase sempre porque é um fato. Estamos o tempo todo vendendo uma ideia, um serviço, um produto... Usando as palavras, postura e sentimentos corretos, você é capaz de vender qualquer coisa. O oposto também é verdade. Se você usa as palavras, sentimentos e posturas equivocadas, pode destruir qualquer empresa ou reputação. Seguem exemplos.

Recentemente, tentei contratar duas palestrantes de renome no país. Vou chamá-la de X e Y. Com nenhuma delas é possível ter contato direto, somente com a assessoria, responsável pela venda do serviço (a palestra). A assessora da palestrante X, depois de 6 meses de inúmeras tentativas de contato, respondeu a duas ligações informando que responderia os e-mails em seguida... Nunca respondeu. E eu bem que tentei.

A representante da Y, antes mesmo de me dizer o preço da palestra de quem eu desejava contratar, informou que trabalhava com outros palestrantes, e começou a elencar as qualidades de uma em especial que seria “melhor para o evento” do que a solicitada. Em seguida, me passou o orçamento pedido com preço completamente fora da média do mercado e repleto de exigências, no mínimo, suspeitas. O que me fez, claro, observar com mais atenção a proposta oferecida para segunda opção.

Mais um: Entrei numa determinada loja de produtos de limpeza. Sim, sou maluca por produtos de limpeza. O local trabalha com produtos especiais, tanto para comércio quanto para residência. Sentada, atrás de um balcão no fundo da loja, estava a atendente. Música alta, atenta à tela do computador e ao telefone móvel. Entrei, olhei todos os produtos. Quando tinha alguma dúvida, dirigia-me até o final da loja e perguntava. Ela não sabia quando chegariam os produtos que perguntei, não me oferecia outras opções (eu as encontrei sozinha) continuou conversando no celular e se levantou apenas para pegar o troco quando efetuei o pagamento. Simples assim.

Palestras e produtos de limpeza estão em “patamares” bem diferentes, concorda? Mas, nas três situações, tem ao menos uma coisa em comum: tanto as palestrantes quanto o dono ou dona da loja de produtos não têm a mínima noção de quem está vendendo o produto deles. Pode saber o nome, pagar o salário ou comissão, mas não têm ideia de como este produto está sendo negociado (ou não) pelas pessoas que escolheram para representá-los.

Preparação para vendas vai além do currículo. Vender é uma arte! Para efetuar uma boa venda você precisa, no mínimo, estar conectado com o produto e amar o que vende, criar um bom ambiente e boas situações, observar com atenção o cliente, ser organizado, atento.

Quanto ao contratante ou proprietário do estabelecimento, deve estar presente e, além de ter todo conhecimento do vendedor, precisa ser um observador contínuo do seu trabalho. Já ouviu o ditado “O que engorda o gado é o olho do dono”? É um fato! Se você não conhece todas as etapas do processo, como quer que alguém que esteja insatisfeito com o trabalho ou tenha interesses conflitantes possam render bons frutos a você? Não funciona!  

Se você não valorizar seu patrimônio, em todos os sentidos, ninguém inconsciente vai fazer por você. E digo inconsciente porque, um profissional, em qualquer patamar, que esteja consciente do seu potencial e do potencial da sua empresa, vai crescer junto com ela, independente de estar sendo observado ou não. Ele vai tratar seu cliente como cliente dele, vai amar seu produto, como (ou até mais que) você. Vai buscar alternativas para melhorar profissionalmente a cada dia. E, consequentemente, vai dar ótimos resultados para o seu negócios!

Pense nisso.


sexta-feira, 12 de abril de 2019

Melhore sua vida e relações interpessoais com 4 técnicas de vendas



Seguindo estas dicas você será mais feliz em todos os setores da sua vida, além de se tornar um excelente vendedor

Por: Kássia Luana
A primeira coisa que descobri ao entrar no mundo das vendas é que, todos nós, 24 horas por dia, estamos vendendo a nós mesmos ou uma ideia. Sim, é um fato! Você acorda pela manhã e se prepara para o trabalho: cabelo, roupas, maquiagem, sorriso e etc para vender uma imagem do profissional que você é; repete frases de efeito para vender ao seu subconsciente o que o seu consciente almeja. Tenta convencer o filho a estudar, a comer, a se arrumar... vendendo a ele a ideia de que aquilo é o correto a se fazer se quiser ter bons resultados na saúde e no futuro.

Convence seu cônjuge a acompanhá-lo num evento de família ou reunião de amigos, para vender a ideia de que se importa e ama aquelas pessoas e gosta de fazer parte daquele grupo. E assim por diante. A meu ver, ser persuasivo o bastante, à ponto de obter bons resultados em cada uma destas vendas é o que faz de você uma pessoa de sucesso. Ou não. Em resumo: todos nós somos vendedores! Mas, que tipo de vendedor você quer ser?

Todos temos uma ideia bem definida do que é sucesso. Para alguns, é ser milionário; para outros, ter uma família forte e unida; para outros, ainda, é o bastante ter saúde ou poder. Independente de qual seja a sua visão de sucesso, para alcança-lo você precisa, obrigatoriamente, vender isso a você mesmo, primeiramente, e, em seguida, ao seu companheiro (a) ideal, com quem você deseja ter a família; a empresa que você trabalha ou deseja trabalhar, ao seus cliente e assim por diante.

Então, com base no que aprendi em alguns anos na área de vendas, listei alguns pontos para que você coloque em prática e obtenha sucesso.

·        Sorriso e empatia
Um sorriso sincero abre qualquer porta! Não adianta fingir. Você sabe quando uma pessoa está sendo honesta com você pela postura dela. Se ela se sente segura e confiante, se sorri, você se desarma e confia no que ela te diz. Então, vibre sempre na frequência da alegria e a primeira barreira para conseguir vender qualquer coisa será derrubada. Autoconhecimento e equilíbrio emocional são as chaves de tudo.
Em seguida, exercite a empatia, se coloque no lugar do outro. Veja que, assim como você, ela tem necessidades à serem atendidas. E se ela vê que você a entende e respeita, se sentirá mais confortável em atender as suas demandas. Consequentemente, você conseguirá oferece-la o serviço ou produto adequado.

·        Seja ativo e demonstre segurança
O seu interlocutor precisa perceber que você está realmente seguro do que diz e interessado nele. Você acreditaria em alguém que vende felicidade e saúde, mas tem os ombros caídos e olhar cabisbaixo? Acreditaria que uma vendedora está interessada em atende-lo se ela o observasse entrar no estabelecimento, mas permanecesse sentada e distraída em seu telefone? Então, se você quer vender a alguém qualquer coisa, mostre que você está animado com aquilo a ponto de querer que ele também participe do processo. Faça com que ele perceba que seu interesse e suas boas intenções são genuínas.

·        Você é sua vitrine
Se vista e viva de acordo com o que você quer transmitir. Ou você acreditaria em um médico que vive doente, ou numa vendedora de roupas que não sabe se vestir? Se você quer vender a ideia de felicidade, seja feliz! Se quer fazer com que seus filhos ou colegas de escritório sejam mais organizados, seja organizado primeiro e admirado por isso. Se quer convencer o seu marido que os eventos com os amigos ou famílias são divertidos, aproveite verdadeiramente estes eventos e os torne agradáveis. Se quer que as pessoas comprem os produtos de beleza que você vende, os consuma e mostre o quanto eles fazem bem. E assim por diante! Seja sincero com você e com o outro em tudo.

·        Não aborde agressivamente
Quantas vezes se aborreceu quando foi abordado agressivamente por aquele pessoal que oferece cartões na rua, ou chip, ou liga insistentemente oferecendo pacote de serviços? Quantas vezes você se irritou ao entrar em uma loja e ter um vendedor te perseguindo o tempo inteiro? Quantas vezes o filho adolescente fez o contrário do que a mãe dizia só porque ela disse que era uma ordem? Entende a analogia?
O seu interlocutor precisa de espaço e sensação de que ele está no controle. Deixe-o confortável, e dê-lhe o poder de escolha. Uma frase do tipo: “fique à vontade. Mas, estou à sua disposição, se você precisar”; ou “fiz desta forma e obtive excelentes resultados”; ou “por onde você quer começar?” fazem com que a decisão esteja na mão do outro e o dá poder. Enquanto ele observa o ambiente, as opções, você o observa atentamente, de forma discreta, tendo tempo de estuda-lo e encontrara a melhor forma de agir.


venda é consequência destes e de alguns outros fatores. Mas, se você conseguir levar estes pontos principais para a sua vida cotidiana, melhorará sua autoestima e conseguirá alcançar o sucesso em casa, no trabalho, e em qualquer coisa que se proponha a fazer!
Sucesso!

segunda-feira, 1 de abril de 2019

Como lidar com o seu mau humor sem encher o saco das pessoas


Muitas pessoas não sabem lidar com o mau humor. Ele é um fato “normal", acontece com todo mundo. O que diferencia isso em cada ser é a forma como ele lida com este fato desagradável.
Há anos trabalho com o público. E vejo pessoas lidando com isso da pior forma possível: descontando nas outras pessoas. Gente que tem um péssimo dia de trabalho e destrava o garçom ou os filhos; gente que briga com o cônjuge e desconta na vendedora da loja ou na mãe; gente que tem um problema no banco e desconta na manicure... E por aí vai.
Minha primeira dica é: o garçom, a babá ou quem quer que seja não têm nada a ver com seus problemas! Eles estão ali para atendê-los, da melhor maneira que podem. Então pare de descontar nos outros as suas frustrações!
Se você ainda não sabe fazer isso, eu vou te dar 3 dicas de ouro:
1.                Autoconhecimento é a dica mais importante. Sse você se conhece bem sabe como lidar com suas variações de humor também. Se você, por exemplo, sabe que não está em um “Bom dia", vai cuidar melhor do que fala ou cala, evitando maiores problemas...
2.                Assuma a responsabilidade sobre a sua vida. Responsabilidade não é culpa, é poder. Se você entende que é responsável por tudo de bom ou ruim que acontece, sua visão sobre a vida muda e os fatos externos influenciarão muito menos o seu humor.
3.                Empatia é a chave. Se você entende que o outro sente, sofre, ama como você, não vai fazer ao outro o que não gostaria que fizessem com você.
E, como chegar a este patamar de discernimento? Terapia, meditação, ioga, espiritualidade ou tudo isso junto, assim como eu fiz. Enquanto isso, seguem algumas coisas que você pode fazer para colocar esta péssima energia para fora sem envolver outras pessoas no processo:
                    Caminhada ou corrida;
                    Assista filmes de comédia;
                    Livros de auto conhecimento;
                    Abdominais;
                    Ouvir música alegre e dançar;
                    Beber chás como de camomila e erva doce;
                    Mexer no seu jardim ou horta;
                    Nadar;
                    Exercícios respiratórios;
                    Fazer comida (de preferência massas, biscoitos e outros)
Faça coisas que gastem energia, elevem sai frequência, te relaxe e o façam manter o foco. Mas, por favor, não encha o saco das pessoas!
Namastê
Muito obrigada!